quarta-feira, 17 de abril de 2013

JUÍZES DO ÓDIO

odio
Não aceito juízos descomedidos e desumanos sobre qualquer pessoa que conheça ou não, posto que sei quem sou e como desejo ser levado em conta e assim levo em conta o meu próximo em seriedade e responsabilidade. Quem espera de mim juízos condenatórios, preconceituosos, arrogantes saiba é toda sua a perda do próprio tempo.

Sim! Estou aprendendo com Jesus que ensinou a um fariseu que ele podia aprender a amar com uma puta de Israel que se agarrou aos pés Dele em lágrimas e a alma nua, ela sabendo que diante de todos e de Deus nenhum álibi moral ou ético poderia ser invocado. Sim! Ela não era digna, coisa que um religioso jamais poderá aceitar a não ser que, como o grão de trigo, morra para que dê bons frutos.

Assim, também Jesus mostrou que se assentar na roda dos escarnecedores é se assentar com aqueles que fazem uma ideia de si além do que de fato são, e esses não amam senão o próprio ventre e seus ideais não passam de iscas para pegar aqueles que alimentam o ego deles, bajuladores.

Ainda Jesus convidou-me a assentar ao lado Dele quando diante Dele arrastavam uma adúltera pega em flagrante, e quando aqueles arrogantes citavam versículos de Êxodo, Deuteronômio, Levítico, Números dizendo "a lei diz para apedrejar, matar..." Jesus diz para atirar a pedra aquele que nunca pecou. Sim! Jesus me convida a assentar ao seu lado diante da adúltera e ver o amor de Deus se envolvendo sem preceitos morais ou éticos com a tão vil pecadora. Sim! Todos deixam suas pedras e se vão, desde o mais novo ao mais velho. Vão-se e não ficam aos pés de Cristo, vão-se cheios de culpas, envergonhados no ego, sentindo-se falhos diante da ergometria moral mas incapazes de reconhecer a monstruosidade em si mesmos à ponto de querer apedrejar até à morte uma mulher pelo pecado dela afim de esconderem seu ódio por detrás do "preceito de Deus", e de mascararem a falta de amor diante do "mandamento". Arrogantes! Estúpidos! Sim! "Raça de víboras e hipócritas"!

Vão-se para casa todos eles sem pararem perante O Mestre, olharem em Seus olhos e se curvarem em humilhação, sim, pois Jesus sendo Deus não considerou todo Seu poderio algo ao qual deveria se agarrar, muito menos Sua divindade Santa e sem uma sombra de mancha sequer; sendo todo Luz se entregou em ternura aos excluídos, aos indignos, e envolveu-se com Eles, nas mais densas trevas, em amor irrevogável e irrefutável. Porém, aqueles homens, do ódio, não sendo Deus desejavam ser deus, porém, não Deus como Jesus O foi, pois o Deus que Jesus revela aos homens dessa extirpe não faz jus ao deus que eles têm em suas mentes! Não! Jamais aceitarão o Deus que é Amor e que julgou a humanidade na Cruz se fazendo santidade, justiça e redenção por todos e para todos por todas as eternidades possíveis. "Vão aprender o que significa: Misericórdia quero e não sacrifícios e o conhecimento de Deus mais do que holocaustos, se soubessem isso não teriam condenado os 'inocentes'". E que afronta Jesus não faz ao chamar de "inocentes" aqueles que religiosos, moralistas, e adoradores da ética chamavam de "pecadores".

Mas a adúltera fica, ela fica sozinha diante de Cristo! Preste atenção: Ela fica! Todos se vão mas ela fica! Sim! Virão as prostitutas, os adúlteros, promíscuos, beberrões, os moralmente indigentes e se assentarão à mesa com Abraão, Isaque e Jacó e sorrirão juntos, e cantarão canções, e se deliciarão no amor do Pai, e Deus não se envergonha de ser chamado de "Deus de todos eles", "Deus de pecadores", "Deus que se assenta com pecadores", "Deus que veio para os pecadores", "Deus que se assenta na roda dos escarnecedores", Deus que ama, mesmo, de verdade, sem essas idiossincrasias hipócritas humanas e religiosas babantes por ver se cumprir no "pecador" o ódio e indiferença enraizados em si mesmos. Deus dos indignos!

É assim! Comigo o chão é mais embaixo, se Deus amou a mim, o mais indigno, com certeza ama qualquer um outro, sem demagogia, sem verborragia, mas de fato.

Nenhum comentário:

DRUMMOND SEM TRIUNFOS

Chega um tempo em que só se diz "meu Deus" Tempo de inabissoluta depuração Tempo em que se diz "meu amor" Pois o...