quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

A GRAÇA ENTENDÍVEL

misericordia

É quase piegas, a essa altura do campeonato, dizer “A Graça excede o entendimento”. Tão piegas que provoca vergonha alheia por alguém que, nos primeiros sinais de compreensão do Evangelho da Graça, diz isso no meio de muitos que já ouviram tal mensagem há tempos e tempos.

E isso é fato, a Graça excede a todo entendimento. Contudo, há uma Graça entendível. Foi por causa dessa Graça que Cristo foi tão odiado por uns, e tão amado por outros.

Sempre achei que o lugar de justos era no céu. Quantas vezes eu derramei meu próprio sangue para ocupar um lugar desses, ao lado de Deus! Na morada do Criador no Universo! E sua Lei? Quantas vezes me senti alguém diante de Deus por meio dela! Quantas vezes me senti ninguém perante Deus por causa dela!

O meu demônio tem nome: Religiosidade. É assim que o chamo, e o reconheço. E é quase impossível enxergar ele sem que me veja, e é quase impossível enxergar a mim sem vê-lo.

O Cristianismo foi meu berço. Nasci na maldição da apostasia antes mesmo de ter consciência própria. Aprendi a ser “justo”, “santo”, “irrepreensível”, e ao contrário de Paulo não considerei tais coisas como restos fecais. Dava valor a tudo isso com muito, mas muito orgulho. Meu ego se inchava.

Mas Cristo não criou o Cristianismo, e nem neste esteve por um segundo sequer.

É como se eu estivesse vivendo na época Dele, há mais de 2000 anos.

Vejo Ele vindo chamando Mateus, um cobrador de impostos, um extorquista dos pobres e daqueles que não sabiam diferenciar a mão direita da esquerda. Ele chama Judas, um servo de Mamom, qualquer moeda valia, para ele, mais do que um ser humano. A Zaqueu ele chama para estar com ele em sua casa, um homem rico, ficou rico nas custas dos outros, no exercício da extorsão, da desonestidade, a vileza, a falta de amor, aproveitando-se sempre da ignorância do povo.

Jesus chamou a escória da humanidade. E não vindo aqueles que deveriam vir - “os servos de Deus” - então Ele chama os mancos, os aleijados, leprosos... Não é bonita a cena do banquete. Qualquer um que chegasse a uma festa dessa ou pensaria que era uma entidade filantrópica, ou no mínimo um manicômio.

Pense comigo! Aleijados assentados ao chão, mendigos comendo à mesa, prostitutas bebendo e dançando e se alegrando, policiais corruptos, cobradores de impostos... Todos juntos, alegres, festejando. Seja sincero, meu caro. Isso parece uma pocilga, um curral de porcos.

Era assim que também os religiosos da época - fariseus, escribas e o povo que os acompanhavam - viram a coisa toda.

E quanto a eles, religiosos, corretos, obedecedores da lei (porque também havia gente séria no meio deles, como Paulo por exemplo), tidos como justos, santos, exemplares, o povo de Deus, o remanescente divino, a todos eles Cristo disse que haveria menos rigor, no dia do juízo, para Sodoma e Gomorra do que para eles; menos rigor para Nínive do que para eles. Quem não ouviu Jesus dizer “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que percorreis o mar e a terra para fazer um prosélito; e, depois de o terdes feito, o fazeis filho do inferno duas vezes mais do que vós”…“Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste!”?

Essa Graça é entendível. Pelo menos muita gente entendeu e deu um jeito de matar Jesus.

Quem não entende que Cristo preferiu estar na “pocilga” diante dessa nuvem de testemunhas? Os justos? Ah! Esses ficarão de fora. Como aquela passagem do “reino tomado à força”, que, provavelmente, segundo Joachim Jeremias, alude à cena em que os religiosos cultuavam à Deus, porém, os rejeitados por eles faziam força para entrar e estar no meio deles, mas eram barrados. E Jesus diz então que aqueles, que faziam violência para entrar naquela reunião onde supostamente cultuavam a Deus entravam, entravam no reino, mas os religiosos zelosos ficavam de fora. “Eles – a escória – entra no reino, mas vocês ficam de fora”. “Senhor! Nós expulsamos demônios em teu nome!” – e ficarão de fora. “Não vim chamar a justos, mas pecadores”.

Numa hora dessas , penso em Nietzsche que afirmou tão categoricamente que Paulo, “com aquela insolência rabínica”, fala contra “a sabedoria deste mundo” quando diz que “a loucura de Deus é mais sábia que a sabedoria humana, e a fraqueza de Deus é mais forte que a força do homem... Mas Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios, e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes... Ele escolheu as coisas insignificantes do mundo, as desprezadas e as que nada são, para reduzir a nada as que são, para que ninguém se vanglorie diante dele”. Nietzsche pensou que Paulo falou isso contra o sistema filosófico, filológico, contra o “pensar”, contra o “super-homem”.

Nietzsche, meu caro! Era melhor você ter dado um tiro no pé do que projetar a sua insolência sobre Paulo!

Creio eu, se não tiver sendo também insolente, que Paulo viu Cristo, reconheceu-O, chamou de esterco tudo aquilo que era ele (Paulo) mesmo, e prosseguiu em direção Dele (Jesus). Ele viu que Cristo inverteu tudo, viu a vergonha que Ele causou aos santos, a humilhação que Ele causou aos que pensavam ser alguma coisa.

“Ele escolheu as coisas insignificantes do mundo, as desprezadas e as que nada são, para reduzir a nada as que são para que ninguém se vanglorie diante dele”.

Peço a Deus que tenha misericórdia de mim! Sou o mais desgraçado dos desgraçados! Como disse, nasci na apostasia antes mesmo de ter consciência própria, e agora esse demônio me rodeia sempre.

Eu fico por aqui, diante desse mistério.

“Eu lhes digo que muitos virão do Oriente e do Ocidente, e se sentarão à mesa com Abraão, Isaque e Jacó no Reino dos céus. Mas os súditos do Reino serão lançados para fora, nas trevas, onde haverá choro e ranger de dentes".

Com temor, e tremor.

Um comentário:

Jônatas R. Santos 13º disse...

Bom....muito bom...
Me parece q nos últimos dias existe mesmo uma consciencia nos seguidores de Jesus, é ela: "eu sou o mais miserável, o pior de todos". Graças a Deus! Eh assim q sei q sou, e q Deus continue a se compadecer de mim.

DRUMMOND SEM TRIUNFOS

Chega um tempo em que só se diz "meu Deus" Tempo de inabissoluta depuração Tempo em que se diz "meu amor" Pois o...