sexta-feira, 2 de setembro de 2011

SE O FOSSE...



Não sou poeta. E se o fosse seria um que não descobriu a alegria. Nem mesmo se aprofundou na angústia. Seria um poeta medíocre. Escreveria poemas sem sorriso no rosto, aliás, mesmo não sendo nunca escrevi algo com sorriso nos lábios. Mas seria o poeta da tristeza, da arte. Do poema interminável, da angústia real mas muito mais da fantasiada. Seria o poeta do desastre, da amargura e do rancor. Não! Não incentivaria a nenhuma dessas, mas seria esse o eu poeta, o poeta eu. Seria o poeta que entrou mas que pede a Deus para que lhe ensine a sair. Que nasceu e não sabe como morrer. Seria o poeta das pedras nas mãos, "quem não tem pecado atire a primeira". Atiraria-as todas sobre mim. Seria o poeta da desesperança, sofreria a doença de nãonenxergar um palmo à frente de seu nariz. Seria um poeta morto. Seria um poeta das palavras, não levaria a sério nenhuma delas. Teria as obras como chacotas, chacotas a mim mesmo. Seria apenas das palavras. Contudo, não seria poeta do ódio. Seria o poeta do amor, porém não da paixão. A paixão é jovem, sedutora, sorridente, mas também nervosa, incontrolável, não pacífica. Não seria apaixonado, mas amável. Seria o poeta da paciência, do sofrimento diante do detrimento sofrido por cada pessoa. Seria o poeta da paz, nem guerra nem brigas, "brigar para quê se é sem querer?". Seria poeta da mansidão, da calma, da confiança. Seria o poeta do domínio próprio, sem insultos para com o próximo, nem deferimentos torpes que humilhem um ser tão pequeno como eu mesmo, nada de irritações descontroladas, nem vontade de se livrar das excitações traumáticas desencadeadas por um outro. Seria o poeta da cura, confiaria apenas em Deus como fonte, como ponte que leva para longe de toda essa loucura… Seria esse poeta dos livros fracassados, das páginas esquecidas, do esquecimento de si mesmo nas mãos de quem nem sequer creram. Seria o poeta em direção da Cruz, da coroa de espinhos, das três negações, das trinta moedas de prata, da fuga mais descomedida. Seria esse poeta, inteiro e sem nada.

Um comentário:

Mah disse...

Gostaria de dizer que não tenho a menor idéia do que dizer..... apenas que amei....mas fiquei sem comentários... ainda estou pensando...

DRUMMOND SEM TRIUNFOS

Chega um tempo em que só se diz "meu Deus" Tempo de inabissoluta depuração Tempo em que se diz "meu amor" Pois o...